Barra de boas vindas e data

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Coração etílico

Prometo que não vou vou falar do mal falado bafômetro nem do ex-presidente Lula, mas sim de outro álcool intimamente ligado ao nosso transporte diária: o etanol.

Famigerada molécula do etanol
Bem, para quem não sabe, o etanol é um composto orgânico feito basicamente de dois átomos de carbono, seis de hidrogênio e um de oxigênio (CH3 CH2 OH). Para quem gosta de Química Orgânica e fez os deveres de casa, isso não é novidade, mas para quem não aprendeu, mas se interessa, dê uma olha em duas matérias interessantes da Wikipedia: Etanol e Álcool Combustível.

Bem, sua produção no Brasil tem um incentivo do Governo Federal de um programa conhecido (principalmente para quem viveu seu apogeu na década de 1980), chamado de Pro-Álcool - não sei se ainda tem esse nome hoje. Agora o que não entendo é porque nosso álcool é tão, mas tão caro, a ponto de chegar bem próximo ao preço da nossa batizada gasolina! Tirei uma foto hoje de uma placa de preços de um posto que abasteci aqui em Belém e fiquei espantado com a cena. Veja abaixo:

Motor grogue a R$ 2,699 - tecnicamente 2,70!!! O LITRO!!! Ei Ford, meu carro aceita Tatuzinho???

Nos EUA, o preço dele fica em torno de R$ 1,56, segundo fonte de uma reportagem do Luis Nassif (se tiver um tempo, leio o artigo aqui, é muito interessante.) e o pior é que o álcool dele é retirado de um produto muito mais requintado e caro que a cana-de-açúcar: o milho! Vamos rir para não chorar.

Para completar a marmota, ainda misturam nossa gasolina (que já é de baixa qualidade) em 25% de álcool (se não me falha a memória) e dão incentivo aos carros chamados flex, mas não divulgam que um carro que anda com gasolina pura (que é o caso da Europa e Argentina - que importa gasolina do Brasil e é mais barata lá), faz aproximadamente 23 Km/l, no caso de um New Fiesta.

Aqui, com essa safadeza, um New Fiesta flex faz 8 Km/l a média na cidade.

Os "antigos", com a gasolina a 25% sem ser flex, são mais econômicos que os flex rodando com a tal gasolina a 25%! Isso, porque o carro flex não tem um sistema 100% eficiente. Quer fazer um teste? Rode com seu flex sem adicionar álcool e note que em baixa rotação o motor "bate pino". Depois abasteça com R$ 50,00 de gasolina e R$ 5,00 de álcool e veja que as batidas param. Pode??? Meu carro só é flex por falta de opção, até porque na minha cidade, Belém, nunca foi e nem será mais vantajoso usar somente álcool. E eles empurram os flex para o Norte e vendem a idéia de que é bom, ecologicamente correto e econômico!!! Acredite, se quiser! Se fosse sério, deixariam a gasolina pura e baixaria preço do álcool, que este sim, é ecologicamente correto.

Só sei que o povo ainda está pulando carnaval, assistindo ao BBB (alguns pagando para isso) e a novelas sem graça alienadoras. A galera de Brasília está muito bem, obrigado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seus comentários são bem vindos, mas, por favor, evite postar palavrões e demais palavras de baixo calão. Seja inteligente e direto. Grato.