Barra de boas vindas e data

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Ônibus atropela senhora no Marex

Mais um fragrante do colaborador do blog, Wesley Castro, que se deparou hoje com uma situação nada agradável. Confira no seu comentário e nas suas fotos abaixo:
Mais uma vez presenciei um acidente entre um ônibus e um pedestre. Desta vez foi na esquina da Avenida Contorno Leste com Avenida Oeste, no bairro Marex, em Val-de-Cans
O assassino motorista do ônibus, com seu excesso de mal-educação confiança, fez uma curva sem sinalizar. Nem mesmo pensou em parar e acabou acertando uma senhora que atravessava a rua.
Até quando teremos que conviver com esses motoristas de ônibus que não respeitam as leis e nem mesmo a vida alheia?
É bem típico dos motoristas de ônibus de Belém fazerem curvas sem parar para ingressar outras vias.





Bem, fica o registro e indignação do Wesley.

Aproveitamos também para perguntar: até onde vão as responsabilidades dos motoristas, das empresas de transporte e da Prefeitura de Belém?

Digo isso porque os motoristas andam "quinem" um bando de loucos, correndo desesperadamente, como se estivessem participando de uma corrida, para chegar na hora. Isso tudo sem tocar no assunto vans (ai, ai, ai...)

Digo isso porque as empresas pressionam os funcionários, porque tem que cumprir o "circuito" no horário exato!

Digo isso porque prefeitos e mais prefeitos passaram pela "cadeira", alguns tentaram alguma coisinha aqui, outra ali, outros políticos emperravam, e a cidade está do jeito que está! Precisa desenhar?

Então, prezados, a culpa é de todo um sistema cavernoso e bagunçado:

  • Do motorista que precisa de um carradas de psicólogos e psiquiatras.
  • Das empresas de viação que precisam rever as metas dos motoristas (ou contratem mais).
  • Da prefeitura que até hoje não mostrou competência e soluções dignas para o trânsito de uma capital, que diz grande. Isso inclui-se o controle do transporte público, com micro-ônibus, vans e moto-táxis irregulares, irresponsáveis, sem instrução/capacitação, com veículos sucateados (muitos de outras cidades) e por aí vai, que contribuem para a bagunça geral.

Minha pouca fé fica no BRT, nos prolongamentos das  Independência, Perimetral e João Paulo II, que já estão em obras, diga-se de passagem, que, caso sejam concluídas, parabéns: vai ser um marco histórico para nossa atrasada capital e o atual prefeito já garante um voto nas próximas eleições.

- Ei, vai dar uma melhorada? Vai, mas mesmo assim, acho que não será suficiente. Belém tem muitos pontos críticos que passam longe desses corredores, como o centro da cidade. Posso preencher vários parágrafos aqui sobre este assunto, mas isso é asfalto para outras ruas. Aguarde.

Portanto, para quase concluir, dou uma dica aos nossos políticos birrentos: olhem para a marrenta vizinha Manaus (é, eles não gostam de nós, paraenses!). Lá quando um político de um partido ganha, o oponente não fica enchendo o saco do outro, como neto criado por avó, mas deixa ele trabalhar, pois está pensando no bem de todos os moradores. Afinal, residem na mesma cidade e querem vê-la bonita e trafegável decentemente. Precisa desenhar???

E para concluir de verdade, como diz-se em Direito: o bem comum se sobrepõe ao direito individual! Ao menos deveria...

Boa noite.

Trânsito Caótico de Belém
transitoblm@gmail.com

PS: Alguém nos avise, por favor, se a senhora que foi atropela está bem.

4 comentários:

  1. Tá aí. Essa é uma pergunta que eu também me faço todos os dias: até onde vão as responsabilidades dos motoristas, das empresas de transporte e da Prefeitura de Belém?

    Motorista de ônibus, HOJE, é sinônimo de HOMICIDA. Me desculpem a minoria que procura trabalhar na linha. Mas a grande verdade é essa.

    Onde fica a regra de que o maior deve zelar pela segurança do menor? Isso aí não existe mais. Agora é cada um por si e Deus por todos. É isso mesmo?

    Vou contar um testemunho que aconteceu na sexta passada.
    Eu vinha dirigindo pela Doca normalmente no sentido CDP pela faixa do meio. Parei no sinal vermelho da esquina com Jerônimo Pimentel. Um ônibus parou logo atrás de mim, e começou a dar aquelas aceleradas tipo como quem quer intimidar pelo tamanho, porém nem liguei. O sinal abriu e eu saí normalmente. O dito cujo pseudo-motorista veio já me 'engolindo', e mesmo tendo as faixas da esquerda e da direita para passar, o cara vinha em cima de mim forçando passagem. Ok. Pra evitar confusão, fiz sinal para a esquerda, mudei de direção e dei a faixa do meio para ele passar. Porém tivemos que parar no sinal da esquina com a Senador Lemos. O motorista do ônibus parou do meu lado, me encarou, e eu fiz um sinal para ele pedindo calma. Simplesmente, ele ignorou e fez um outro sinal me chamando pra porrada... isso mesmo... pra PORRADA. Só dei um sorriso irônico, balancei a cabeça negativamente, e segui meu caminho.
    Agora me responde. Pode um negócio desses? Esses caras não precisam mais de medidas educativas, e sim psiquiatras, pois a MAIORIA está com uma mente psicopata. Sério, bicho!

    Certa vez sugestionei à SEMOB pelo Twitter que fizessem algum trabalho social e educativo dentro das empresas de ônibus, e sabe o que responderam? Que isso não é responsabilidade deles, e sim das próprias empresas.
    Se nem o órgão fiscalizador de trânsito não está nem aí pra situação... o que será deste trânsito mais tarde? Afinal de contas, uma das competências da SEMOB não é a de orientar? Onde fica a Responsabilidade Social do órgão? E onde está os gestores das viações urbanas?

    Um dia transformo este comentário em um post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lembrei de um dia que estava na Av. Nazaré, como sempre bem congestionada. Em um dos sinais mesmo estando verde pra mim parei pois não tinha vaga pro meu carro do outro lado e não queria fechar o cruzamento (mesmo que isso seja costume por aqui!). Um ônibus que estava atrás de mim começou a buzinar, piscar farol e pelo retrovisor eu via o motorista gesticulando mandando eu avançar. Fez um verdadeiro escândalo! Pois bem, abriu uma vaga pro meu carro e eu avancei, e o ônibus avançou também a uma distância de um palmo do meu carro. O sinal ficou vermelho pra ele, ficou verde pra via que cortava e o dito cujo fechou descaradamente o cruzamento. Foi um buzinaço que durou uns dois minutos. O sinal ficou verde pro ônibus, vermelho pra quem tinha o direito de passar naquela hora e o motorista daquele ônibus não ganhou nada, absolutamente nada com toda essa falta de educação.

      Excluir
    2. Parabéns pela sua atitude de aguardar a sua vez e mesmo com sinal verde não avançar para não comprometer o cruzamento. Precisamos de mais motoristas assim.
      Em um trânsito caótico, como o nosso, é necessário paciência e tolerância com a impaciência dos outros.
      Façamos nossa parte, e quem não quer fazer a sua, deixe pra lá.

      Excluir

Seus comentários são bem vindos, mas, por favor, evite postar palavrões e demais palavras de baixo calão. Seja inteligente e direto. Grato.